A Nova Consciência e a Meditação Laica

Sempre se comentou o fato de que nós humanos usávamos apenas 10% da capacidade do nosso cérebro para processar informações. No entanto, não inferimos o quê deveríamos fazer para usar o resto dos 90% ociosos. Será que deveríamos fazer mais contas? Gravar uma quantidade muito maior de números de telefones e endereços na memória? Como usar nem que seja 5% a mais do que já usamos?

Para responder a essa questão é preciso redimensioná-la. Digamos que é preciso usar nossa capacidade cerebral de um modo que não seja somente para raciocínios lógicos. Descartes fez uma reflexão muito interessante usando nossa capacidade de dar um sentido lógico à existência humana. Mas a existência humana não se esgota numa lógica de sentido.

Ao contrário, os sentidos vêm e vão.

E, muitas vezes se chocam em sentido contrário com uma intensidade tal que guerras são geradas em nome da prevalência de um sentido em relação ao outro, de mesma força. Hum… Física?! Sim. Sentidos lógicos são como vetores de força. As palavras que dão sentido a uma realidade são como foguetes carregados de sentido lógico que dão força de criação a uma realidade “lógica” que conhecemos como conceito.

Mas a realidade lógica não é a única. E quando perdemos o sentido? E quando íamos bem numa relação moral e socialmente acomodada, de namoro, casamento, emprego, vizinhança e, de repente, tudo fica radicalmente diferente? Inquietude, angústia, pânico, euforia, entusiasmo, alegria invadem o sentido lógico onde tudo corria bem!

Antigamente, a ciência afirmava que as únicas células humanas que não se reproduziam eram os neurônios. Nascíamos com uma determinada quantidade que só ia diminuindo ao longo do tempo. Estávamos destinados a uma certa demência senil. Hoje, a neurociência nos informa da neuroplasticidade cerebral que permite que novas conexões sinápticas sejam feitas colocando em uso neurônios que estariam destinados a morrerem à míngua não fosse algumas cargas emocionais forçando esses novos caminhos no cérebro.

E, justamente quando essas descargas emocionais empurram as conexões entre neurônios por caminhos novos e errantes é que perdemos a lógica, o velho sentido, e usamos um pouquinho mais que os velhos 10% que mantinham tudo dentro de um destino razoável para nossa vida.

Sim, são as emoções, as danadinhas responsáveis pela juventude cerebral! Adoraria falar de inumeráveis exemplos de como não percebemos o quanto as negamos e o quanto envelhecermos por isso. Seria bom encará-las em toda a sua variedade de possibilidades emocionais, desde a mais asquerosa até a mais sublime. Do amor ao ódio. Honestamente.

São as emoções que nos humanizam. De resto, há software para tudo.

E as emoções também são energia. Mas elas não correm em vetores. Elas acontecem em vórtices. Sim, vórtices e não vértices. São explodidas de sentido. Elas explodem como fogos de artifício. Em vários sentidos com a mesma força. Hum… Física? Sim. Quântica.

Ao perder o sentido lógico de alguma realidade por conta de uma grande descarga emocional, boa ou ruim, o sentido é explodido e várias possibilidades se abrem à nossa frente. No entanto, como insistimos em usar somente 10% da nossa capacidade cerebral, sofremos horrores apenas para recuperar um  sentido lógico o mais rápido possível! A dor decorrente do esforço para se recuperar o sentido é comparada ao esforço de se querer recolher a explosão de um daqueles fogos de artifício!

No caso de nossa energia emocional humana ela explode no céu de nossa consciência. Se não há consciência desenvolvida não há como compreender essa outra dimensão onde habitam e transitam as emoções. A realidade concreta, palpável, dialoga com o sentido lógico de nossa mente num entendimento perfeito. Mas a realidade emocional só se vê perfeitamente compreendida dentro da consciência humana desperta para além da capacidade de apenas raciocinar.

Nossa consciência  deve abarcar as quatro pontas que sustentam a nossa condição humana. Somos reais (físicos), racionais (mentais), sentimentais (emocionais) e energéticos (imaginativos). Ao nos permitirmos fazer uso de todos esses atributos humanos estaremos finalmente nos despregando da cruz representada pelas  4 dimensões, ascendendo a consciência e olhando de uma perspectiva para além dos 10% a que estamos acostumados.

A capacidade de meditar é uma habilidade humana e seu desenvolvimento só esteve entregue à responsabilidade de crenças, dogmas, filosofias ou religiões pela falta de desenvolvimento de uma linguagem! Por falta de uma consciência desenvolvida que conseguisse traduzir nossas emoções pessoais e circunstanciais sobre um pano de fundo que não fosse a lógica.

Talvez Jesus tenha simbolizado um recado mais ou menos assim quando foi crucificado por defender uma verdade que só ele, sem ONG, sem partido, sem poder, defendia. E mesmo crucificado ascendeu da cruz para a vida eterna! Hum, discurso religioso? Não e sim. Comece a perder a lógica, por favor.

É apropriado que comecemos a flagar nosso raciocínio lógico julgando, etiquetando, classificando e acabando com nossa capacidade criativa de enxergar o presente se reinaugurando a cada respiração.

Discurso de uma realidade espiritual, individual, pessoal e intransferível. Discurso de  uma crença pessoal que se torna coletiva quando torcemos por um time, por uma nação com a mesma emoção! Olha a emoção aí, unindo corações e mentes, curando uma semana ruim de trabalho num grito gol, juntos, à uma só e gigantesca voz, puramente emocional. Tremenda descarga energética que cura qualquer estresse!

Uma torcida de futebol é uma expressão emocional sobre um pano de fundo espiritual que quer dizer: energético. O que é um time? É um pedaço de pano com algumas cores misturadas?! O que é uma escola de samba? Um estandarte? O time é um pedaço de pano com algumas cores misturadas sim, mas com uma magia, com uma energia, com uma espiritualidade, que quem faz patuá sabe do que estou falando. E um estandarte de escola de samba? Quanta energia, quanta emoção. Taí o cabo vertical da cruz que põe qualquer um em pé! Desenvolver nossa consciência é uma habilidade humana, qualquer pessoa pode e deve faze-lo. Emocionar-se também é uma habilidade humana. E, somente através do uso de todas as nossas habilidades humanas e desenvolvendo novas linguagens é que expandiremos nossa consciência para além dos 10% básico que usamos até agora!

A Meditação Laica Educacional é uma estratégia didático pedagógica para que alunos e professores possam desenvolver a consciência adquirindo uma linguagem não lógica que venha a dar conta de suas emoções desenvolvendo competências socio emocionais que vão permitir que nos relacionemos de forma pacífica e solidária construindo uma sociedade madura.

Um abraço carinhoso e fraterno.

 

Claudiah Rato
 Professora de  Educação Física do Colégio Pedro II
 Especialista em problemas do desempenho escolar
 Psicóloga
 Mestre em Ciências da Educação
 Criadora do Método de Meditação Laica Educacional


Texto publicado no Jornal Prana Ed. Nov/2009.