Colégio Pedro II Unidade Humaitá II
Aluna: Daniela Ferreira dos Santos de Souza    nº:8
Profª: Cláudia                          Turma:1201

 

Meditação na adolescência

1. Introdução

Desligar-se do mundo exterior e voltar a atenção para dentro de si. Esse é o significado da palavra meditação, originária do latim meditare. A técnica milenar, associada à autoconsciência, afeta regiões cerebrais ligadas a memória, a empatia e a redução do estresse. Basta disciplina e constância para que a técnica funcione. Ela é tão simples, tão singela que e é isso que a torna tão difícil de conseguir. O processo todo depende de saturarmos o pensamento com um mesmo estímulo até que a mente pare. Pode ser com uma imagem, com um som ou outras formas mais adiantadas. Um estudo norte-americano comprova que a técnica, feita diariamente por pelo menos oito semanas, transforma para melhor áreas ligadas a memória, a empatia e ao estresse e é por isso que pode ser uma ótima opção de atividade para adolescentes.

 A técnica milenar da meditação, associada a autoconsciência, afeta regiões cerebrais ligadas à memória, a empatia e a redução do estresse. Essa foi a descoberta de uma equipe de pesquisadores do Hospital Geral de Massachusetts, nos Estados Unidos. O estudo, feito com 16 voluntários e um grupo de controle formado por outras 16 pessoas, mostra que a prática regular da meditação, feita diariamente por pelo menos oito semanas, aumenta a expessura do córtex cerebral principalmente nas regiões relacionadas a atenção e a integração emocional ) e do hipocampo (área ligada a aprendizagem, a memória e à introspecção).

“Embora a meditação seja associada as sensações de paz e relaxamento físico os praticantes vêm afirmando, há muito tempo, ter sentido benefícios cognitivos e psicológicos que duram ao longo dos dias”, explicou Sara Lazar, uma das autoras da pesquisa. “Esse estudo mostra, então, que mudanças na estrutura do cérebro, especialmente no córtex, podem ser a base dessas melhorias relatadas”, completa.

Os pesquisadores fizeram imagens por ressonância magnética da estrutura cerebral dos voluntários, duas semanas antes e duas semanas após eles participarem do programa de Redução do Estresse Baseada na Atenção e Consciência Plena, que durou dois meses. Além dos encontros semanais, que incluíam a prática da meditação com foco na consciência e sem julgamento de sensações, sentimentos e estado de espírito, os participantes receberam uma gravação em áudio para praticar meditação em casa. A equipe também os pediu que registrassem por quanto tempo faziam a técnica diariamente.

Em média, os voluntários meditaram 27 minutos por dia. Ao responder a um questionário no fim do processo, eles indicaram melhoras significativas na qualidade de vida, como a redução do estresse. Essa diminuição, segundo os estudiosos, foi comprovada pelas imagens de ressonância magnética .

Segundo o neurologista, o fato de a meditação melhorar a capacidade cerebral em termos de memória e capacidade de aprendizagem, por exemplo, ocorre porque a técnica ajuda o indivíduo a selecionar os pensamentos e as ideias mais relevantes.

 2. Mecanismo

Para o professor de ioga Daniel Suassuna, 25 anos, a meditação é um mecanismo da ioga que se destacou da atividade e ganhou vida própria. “Para quem pratica, é um estado em que a pessoa tem contato com o conhecimento mais sutil. Não é o conhecimento intelectualizado, mas o intuitivo, que é vivenciado”, descreve. “Quando está emocionada, a pessoa não consegue pensar direito. O mesmo ocorre com o conhecimento sutil: se você está com o pensamento muito ativo, ele te impede de ver detalhes, questões mais intuitivas.”

Suassuna conta que se tornou, há cinco anos, instrutor da técnica (que pratica há sete). Ter feito ioga e meditação durante o processo de sair da adolescência e ingressar na vida adulta foi positivo, avalia. “O amadurecimento foi mais acelerado e seguiu na direção de perceber o universo de forma mais ampla”, diz. “Por meio da meditação, percebe-se que não há dualidade, se vê tudo de maneira mais completa. Com isso, a pessoa consegue lidar melhor com os outros e com o mundo a sua volta.”

Ele enumera os momentos pelos quais alguém que medita passa. Na primeira fase, a pessoa se sente bem disposta e percebe ter maior capacidade de realização. Na segunda, as pessoas no convívio de quem medita percebem mudanças de comportamento. No terceiro, essas mesmas pessoas passam a ser influenciados pela maneira mais “consciente”, segundo Suassuna, de agir dos praticantes da técnica.

O instrutor aponta uma contradição do senso comum sobre a meditação: “No dicionário consta, ao mesmo tempo, que meditar é refletir, pensar sobre algo; e parar de pensar”. É essa visão distorcida que faz com que vários indivíduos tentem, sem sucesso, praticar a técnica por conta própria. “Para ser benfeita, a meditação precisa de orientação. Ela não serve para relaxar, esquecer os problemas. É estado de consciência ampliada”, resume Maria Teresa Milanez, presidente da Federação de Yoga do Distrito Federal.

O professor de reforço escolar André Bouchardet, 19 anos, pratica ioga e meditação há 10 meses. Segundo o jovem, desde que começou a fazer a atividade, sua concentração e produtividade aumentaram bastante. “Consigo fazer tudo mais rápido e aprender mais facilmente desde que comecei a ter as aulas”, comenta. Alencastro explica que a meditação é uma técnica bastante avançada e que seu nome é erroneamente usado para se referir à técnica de concentração (passo anterior à meditação).

Não só ao meditar, mas também ao praticar ioga, o jovem garante que aprende não a reduzir o estresse, mas a administrá-lo. “O estresse em si é uma coisa boa, porque te impulsiona a tomar atitudes. Gera uma energia acumulada que faz você partir para a ação. Mas, para isso, é necessário aprender a direcionar essa ação, para ser positiva.”

Além de todos esses benefícios a meditação na adolescência poderia resolver uma série de problemas que essa fase da vida acarreta. Como as drogas, por exemplo, já que a maioria dos jovens escolhe esse caminho para escapar de uma realidade difícil e por vezes insuportável. E se esses mesmos jovens tivessem a oportunidade de encontrar dentro de si um “refúgio”, outra forma de escapar de realidade que não seja auto destrutiva? A meditação pode proporcionar isso a muitos jovens que acabam com suas vidas em instantes.

 

3. Conclusão

A adolescência é o período no qual se procuram respostas para tudo desde o sentido da vida até o nosso papel na sociedade. E através da meditação,olhando para dentro de si podemos obter essas respostas.E além disso proporcionar uma melhora na memória e na redução do estresse  que é muito importante não só na adolescência mais para toda a vida.

4. Bibliografia

  1.  http://www.pedireito.net/Medita%C3%A7%C3%A3o.pdf
  2. http://swasthya.marcocarvalho.com/o-que-e-meditar/
  3. http://www.meditacaotranscendental.com.br/arterial-alta-pressao/